Sepultamento ou cremação? Entenda a diferença!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Descubra as principais diferenças entre as duas práticas que dão futuro ao corpo após o ciclo na terra

Falar sobre a morte nunca é fácil. Porém, é um assunto necessário. Decidir o futuro que o corpo de um ente querido (ou até mesmo o seu próprio) terá após a partida desta terra é uma escolha de extrema importância que deve ser planejada ainda em vida. Então, vem a questão: sepultar ou cremar? A Funerária São Benedito explica a diferença entre os dois processos para você. Vamos lá?

ORIGEM DO SEPULTAMENTO E DA CREMAÇÃO

Antes de partir para as diferenças, é necessário explicar o surgimento dessas práticas na sociedade. O sepultamento está presente desde a época pré-histórica, quando os corpos eram depositados sob à terra e as ossadas eram guardadas dentro de grutas e cavernas. Os egípcios também mantinham uma prática de sepultamento muito conhecida. Já ouviu falar nas múmias? Elas são corpos que passaram pela técnica de embalsamento e foram depositados em pirâmides e grandes túmulos.

A cremação, por sua vez, era um processo muito comum nas terras gregas e romanas. Apenas pessoas da nobreza e grandes guerreiros tinham como destino de seus corpos a cremação. O ritual era considerado algo grandioso, reunindo todo o povo em volta de uma grande fogueira onde o corpo era queimado.

Os vikings também realizavam a cerimônia de cremação nos falecidos. No entanto, o que diferia da prática grega e romana é que após passar pelo fogo, as cinzas eram lançadas ao mar.

O SEPULTAMENTO

Como o próprio deduz, enterrar diz respeito a depositar o corpo sob à terra. Na prática, o cadáver é colocado em um caixão que fica dentro de um túmulo ou jazigo. A prática de sepultamento é considerada o ritual de passagem mais comum no Brasil, sendo algo cultural enraizado na sociedade.

Muito do que é realizado hoje se dá pelos rituais de nossos antepassados. Por exemplo, o termo “velório”, é proveniente de “velas”. Isso, pois, na Idade Média, a falta de energia elétrica fazia com que as pessoas ficassem com velas vigiando o corpo. Por isso o termo “velar um corpo”.

A CREMAÇÃO

O processo de cremação se dá por reduzir o corpo em cinzas. O corpo é colocado, dentro de uma urna, em um grande forno de alta tecnologia. O processo dura em torno de duas a três horas, dependendo de fatores como peso do corpo, modelo da urna e temperatura do fogo.

Por conta das altas temperaturas deste processo, o corpo é reduzido a meros fragmentos de ossos e cinzas, enquanto todo o material da urna é consumido e evaporado, sem deixar qualquer resquício.

ENTENDA AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS

A diferença clássica é que, enquanto no sepultamento o corpo é depositado sob à terra ou jazigo, na cremação ele é reduzido em cinzas. No entanto, cada um desses métodos possui particularidades que os torna muito diferente um do outro. Vamos ver?

Fator burocrático

No Brasil, qualquer um pode ser sepultado. Porém, somente o desejo de ser cremado não é o suficiente para autorizar essa cerimônia. Em vida, a pessoa deve registrar essa vontade em um cartório, junto a um documento chamado de “Declaração de Vontade”. Caso não seja feito, somente um familiar de primeiro grau pode autorizar a cremação.

Local de homenagens

A forma como o ente querido será lembrado faz toda a diferença. Quando há o sepultamento, é comum que as famílias visitem o cemitério e enfeitem o túmulo como forma de prestar uma homenagem a quem se foi. Por sua vez, na cremação é diferente. As cinzas são costumeiramente espalhadas em locais importantes para o ente querido, ou guardadas em urnas dentro da casa dos familiares. Outra opção é transformar as cinzas em cristais ou diamantes para guardar como uma linda recordação.

Velório

Grande parte dos cemitérios dispõe de salas para a realização dos velórios, que normalmente perduram por um dia. Nesse tempo, familiares e amigos têm a oportunidade de passar um último momento com quem partiu. No crematório, essa cerimônia acontece em um período bem mais curto, cerca de, apenas, 30 a 40 minutos.

Impacto ambiental

Ambas as práticas, se feitas da maneira correta, não prejudicam o meio ambiente. Isso ocorre, pois o enterro deve se manter a uma distância mínima do lençol freático. Já na cremação, as cinzas precisam ser devidamente filtradas.

Com este texto, a Funerária São Benedito espera ter auxiliado a sanar todas as suas sobre os processos. Mas, não se esqueça de que é importante que a decisão de sepultar ou cremar seja feita com cautela, respeitando sempre o desejo da pessoa que deixou este plano!

Se gostou, compartilhe nosso artigo em suas redes sociais!